Terça-feira, 20 de Fevereiro, 2018
O Clube

Candidaturas ao Prémio de Jornalismo da Lusofonia até 15 de Setembro

 
O Prémio de Jornalismo da Lusofonia é a nova iniciativa promovida pelo Clube Português de Imprensa (CPI) em parceria com o Jornal Tribuna de Macau (JTM), no quadro das comorações que assinalam o 35º aniversário daquele diário de língua portuguesa em Macau.

Com o valor de 10 mil euros e periodicidade anual, o Prémio será atribuído por um Júri constituído por representantes do CPI, do JTM e por personalidades de reconhecido mérito na área do jornalismo ou que se tenham distinguido na defesa, divulgação ou ensino da Língua Portuguesa no Mundo.

Trata-se, pois, de um novo Prémio que, de acordo com o respectivo Regulamento (que inserimos noutro espaço deste site) se destina “a jornalistas e à Imprensa de Língua Portuguesa de todo o Mundo, em suporte papel ou digital”. 

Obrigatoriamente “os trabalhos devem ter Macau como tema principal e serem enviados ao CPI ou ao JTM, para apreciação, até 15 de Setembro”.

Este Prémio de Jornalismo, com periodicidade anual, “surge no quadro do desejado aprofundamento de todos os aspectos ligados à Língua Portuguesa, com relevo para a singularidade do posicionamento de Macau no seu papel de Plataforma de ligação entre países de Língua Oficial Portuguesa”.

Recorde-se que o Clube Português de Imprensa, com fortes tradições em Prémios de Jornalismo -  de que foi pioneiro nos anos 80 -, participa, ainda, noutra parceria com o Centro Nacional de Cultura (CNC) e a Europa Nostra ao instituir. desde 2013, o Prémio Europeu Helena Vaz da Silva para a Divulgação do Património Cultural, que distinguiu no ano passado o ensaísta e filósofo Eduardo Lourenço e Jean Plantureux, conhecido como Plantu, famoso cartoonista do jornal francês “Le Monde” .

O Prémio foi entregue, desde 2013, ano em que foi lançado, a nomes tão prestigiados das Letras e das Artes, como os  escritores Claudio Magris e Orhan Pamuk, este Nobel da Literatura, e o músico Jordi Savall.

O Prémio de Jornalismo da Lusofonia é outro passo importante num projecto sempre renovado,  traçado pelo Clube Português de Imprensa.

 (Leia na íntegra o Regulamento do Prémio de Jornalismo da Lusofonia noutro espaço deste site)

                            

 

 

 

Connosco
Guterres prevê guerras no ciber-espaço da informação Ver galeria

“Hoje existem, de forma mais ou menos escondida, episódios de ciber-guerra no mundo, entre Estados”, mas “não há nenhum esquema regulatório em relação a esse tipo de guerra”  - afirmou António Guterres na cerimónia em que recebeu o doutoramento Honoris Causa pelo Instituto Superior Técnico. Citou as Convenções de Genebra e o Direito internacional humanitário, reconhecendo que “não é claro como se aplicam à ciber-guerra”. E prosseguiu:

“Estou absolutamente convencido que a próxima guerra entre dois Estados vai ser antecedida por um maciço ciber-ataque, com o objectivo de destruir as capacidades militares, sobretudo de comando, de controlo e de comunicação do inimigo.”

Pode o “Big Brother” vigiar-nos com os nossos próprios dispositivos? Ver galeria

A segurança digital é difícil e as nossas defesas são fracas. As fundações computorizadas das nossas sociedades modernas são frágeis. “Mesmo as ‘novas’ tecnologias são vulneráveis. Estamos a instalar microfones e câmaras de vigilância conectados com a Internet (por outras palavras, sempre ligados) nas nossas casas, nos nossos televisores, nos nossos ‘assistentes pessoais’ e nas nossas consolas de jogos.” É sabido, nos meios tecnológicos, que a câmara de um computador ou smartphone pode ser ligada à distância por qualquer atacante que tenha os recursos, o tempo e a motivação para o fazer. Esta reflexão é de Ed Geraghty, especialista em tecnologia e segurança na Privacy Internacional, uma ONG britânica de defesa da privacidade.

O Clube


Este
site do Clube Português de Imprensa nasceu  em Novembro de 2015. Poderia ter sido lançado, como outros congéneres, apenas com o objectivo de ser um espaço informativo sobre as actividades prosseguidas pelo Clube e uma memória permanente do seu histórico  de quase meio século . Mas foi mais ambicioso.

Nestes dois anos decorridos quisemos ser, também, um espaço de reflexão sobre as questões mais prementes que se colocam hoje aos jornalistas e às empresas jornalísticas, perante a mudança de paradigma, com efeitos dramáticos em não poucos casos.

Os trabalhos inseridos e arquivados neste site constituem já um acervo invulgar , até pela estranha desatenção com que os media generalistas  seguem o fenómeno, que está a afectá-los gravemente e do qual  serão, afinal, as primeiras vítimas.

ver mais >
Opinião
Em 2021, quando terminar o mandato do próximo Conselho de Administração da RTP, como vai ser a televisão? Tudo indica que os canais generalistas continuarão a perder espectadores e que o tempo consagrado por cada pessoa a ver estações de televisão tradicionais continuará a diminuir. Em contrapartida, o visionamento em streaming, da Netflix, Amazon ou de outras plataformas que surjam entretanto continuará a crescer. Há...
O essencial da palestra que o conhecido jurista e comentador político António Lobo Xavier veio proferir, no passado dia 24 de janeiro, no  Grémio Literário pode resumir-se a uma frase que ele disse na parte final da sua intervenção: "não há distribuição sem crescimento". Aconteceu isto na terceira conferência do ciclo "O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opcões", uma iniciativa do Clube de Imprensa em...
O novo livro do jornalista americano Howard Kurtz, “Media Madness: Donald Trump, the Press, and the War Over the Truth”, lançado pela editora Regnery em 29 de Janeiro - por coincidência intencional ou não, na véspera do primeiro discurso “State of the Union” de  Trump perante o Congresso, marcado para o dia seguinte - é um marco oportuno e de leitura imprescindível para quem acompanhe, por interesse profissional ou...
“The Post”, o filme de Spielberg sobre a divulgação, em 1971, de documentos confidenciais do Pentágono sobre a guerra do Vietname levou-me a recordar que, nessa altura, como jovem jornalista do “Diário Popular”, sugeri que o jornal publicasse parte dessas revelações. A sugestão foi aceite e, por isso, traduzi e talvez tenha resumido (não me lembro bem) alguns dos artigos que o “Washington Post”...
Os últimos dados auditados pela APCT, no ano findo, estão longe de serem tranquilizadores sobre a boa saúde da Imprensa escrita.  De um modo geral,  os generalistas  continuam  a perder vendas em banca e os raros que escapam a essa erosão fatal não exibem subidas convincentes. Um dos recuos mais evidentes é o do centenário “Diário de  Noticias”,  que já deslizou para uma fasquia...