Sexta-feira, 20 de Setembro, 2019
Media

Russos e americanos em conflito aberto sobre o acesso aos seus Media

As autoridades russas interditaram o acesso a vários media dos Estados Unidos, considerados como “agentes do estrangeiro”, nomeadamente a rádio Voice of America e a Radio Free Europe / Radio Liberty, financiadas pelo Congresso norte-americano, e outros meios que lhes estão ligados. Esta medida é a retaliação pela recente recusa, pelo mesmo Congresso, da creditação da estação Russia Today, que o Kremlin considerou “extremamente decepcionante e infundada”.

Segundo Le Monde, que aqui citamos, o Presidente Vladimir Putin tinha promulgado uma lei que permite classificar qualquer meio de comunicação estrangeiro operando na Rússia como “agente do estrangeiro”, precisamente em resposta à obrigação que foi feita à cadeia Russia Today, controlada pelo Estado russo, de se registar sob esta categoria nos Estados Unidos.

Agora, os deputados russos decidiram, por 413 votos a favor e um contra, a aplicação desta lei às referidas emissoras.

 

“Muito criticada pelas organizações não-governamentais Human Rights Watch e Amnistia Internacional, a lei russa obriga as referidas entidades, nomeadamente, a dar informação às autoridades sobre os fundos que recebem do estrangeiro e a precisar nos seus documentos que são classificadas nesta categoria.”

 

Ainda segundo Le Monde, a Russia Today France, versão francesa da referida estação, vai começar a emitir ainda “antes do Natal”. Será então acessível pela Internet, mas também pela Bouygues Telecom e, provavelmente, pela Free, com a qual as negociações estão adiantadas. “A SFR e a Orange dizem continuar ‘em discussão’: a cadeia emblemática do soft power russo ainda levanta desconfiança.”

 

O diário francês recorda que, no final de Maio, quando o Presidente Putin era recebido com grande pompa em Versalhes, Xenia Fedorova, a presidente da RT France, interpelou Emmanuel Macron sobre o motivo por que os seus jornalistas não tinham acesso à sede do movimento En Marche! A resposta do Presidente francês foi:

 

Russia Today e Sputnik não se têm comportado como órgãos de Imprensa e como jornalistas, mas têm-se comportado como órgãos de influência, de propaganda, e de propaganda enganadora, nem mais nem menos.”

 

 

Mais informação em Le Monde

Connosco
Jornalismo deve unir experiência à aptidão tecnológica dos jovens Ver galeria

Há muitos profissionais seniores  que foram afastados  das redacções nos últimos anos, mas os mais jovens, recém saídos das universidades, não foram também poupados.

Se  juntarmos a experiência dos antigos repórteres com a facilidade dos mais jovens no manejo das  novas tecnologias, teremos a receita ideal para assegurar a cobertura jornalística adequada a um preço baixo.

A crise de emprego exige organização, e  não se pode deixar escapar nenhuma oportunidade   oferecida   a quem queira  continuar na profissão,  como defende Carlos Wagner, no artigo publicado no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual o  CPI mantêm um acordo de parceria.
Segundo o autor, já não é possível encontrar um emprego fixo nas redacções dos grandes jornais, rádios ou televisões. Por isso,  exige-se aos mais jovens  que criem o seu próprio emprego.

Seis conselhos para abordar o jornalismo de soluções Ver galeria

Os editores  são essenciais para a orientação das redacções  no quadro de  um jornalismo de soluções. Podem influenciar a mentalidade dos jornalistas responsáveis, a ponto de mantê-los motivados e orientados para alcançar   objectivos comuns.

Num trabalho publicado pela Fundação Gabo,  elaborado com base na   Rede de Periodismo de Soluciones, são apresentadas seis directrizes, para acompanhar os jornalistas na transição.

O primeiro tópico, trata da escolha dos líderes nas redacções, onde é salientada a importância de existir uma figura forte que possa inspirar, mobilizar e manter o foco da equipa.

No segundo tópico, chama à atenção para a criação de novos hábitos de modo a não dar margem a desvios, mesmo perante a pressão de notícias de última hora.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
O chamado “jornalismo de causas “  voltou a estar na moda. E sobram os temas:  a “emergência climática”,   assumida por António Guterres enquanto secretário geral da ONU,  numa capa caricata da “Time”;  o “feito” de uma adolescente nórdica,   que atravessou o Atlântico num veleiro de luxo -  a pretexto de assim  reduzir o impacto ambiental -, para participar...
As limitações do nosso jornalismo
Francisco Sarsfield Cabral
J.-M. Nobre-Correia, professor emérito de Informação e Comunicação da Universidade Livre de Bruxelas, escreveu no “Público” um artigo bastante crítico da qualidade do actual jornalismo português. Em carta ao director, uma leitora deste jornal aplaudiu esse artigo, dizendo nomeadamente: “Os problemas, com que se defrontam no dia-a-dia os cidadãos, não são investigados, em detrimento de...
Uma das coisas em que a informação sobre o mercado publicitário português peca é na análise das contas que são ganhas pelas agências de meios aqui em Portugal. Volta e meia vejo notícias do género a marca X decidiu atribuir a sua conta de publicidade em Portugal à agência Y. Quando se vai a ver, o que aconteceu é que a marca internacional X decidiu num qualquer escritório em Londres, Paris ou Berlim,...
Agenda
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul
24
Set
Radio Show
09:00 @ Hilton Anatole, Dallas, EUA
07
Out
14
Out
Mipcom
09:00 @ Cannes, França