Sexta-feira, 20 de Setembro, 2019
Opinião

O descalabro da Global Media

por Dinis de Abreu

O descalabro do Grupo Global Media era uma questão de tempo. Alienada a sede patrimonial do Diário de Notícias  - o histórico edifício projectado por Pardal Monteiro, no topo da avenida da Liberdade, entregue sem preconceitos à gula imobiliária, perante a indiferença do Municipio e do Governo  - o plano inclinado ficou à vista.
Se ao centenário DN foi destinado um comodato  nas Torres Lisboa,  ao Jornal de Notícias cabe uma garagem como destino, enquanto a sua  sede emblemática, numa zona nobre do Porto, mudou de mãos,  na mesma lógica de “vender os anéis para salvar os dedos”...

O colapso já admitido por responsáveis da administração do Grupo, com um despedimento colectivo no horizonte -  por não haver sequer dinheiro para montar um programa de rescisões  amigáveis -, faz prever o pior.

Os dois títulos, que já foram de referência, são as mais recentes vítimas de um acumular de erros sucessivos, envolvendo – há que escrevê-lo com frontalidade  – tanto  administrações  como  direcções editoriais. 

O DN, reconvertido em semanário, é um fantasma do jornal de prestígio que marcou gerações e influenciou a agenda de governos ao longo de século e meio de publicação. 

Tem uma circulação irrisória em papel, e não conseguiu fixar assinantes no digital. Tornou-se numa triste  irrelevância que não vai longe, com a agravante de correrem rumores sobre o desbaratamento do seu arquivo histórico, o que,  a confirmar-se seria  um crime de lesa- Cultura.

Já o JN , embora com perdas significativas de leitores na sua edição em papel,  tem resistido no digital. Porém,  tal como o DN,  perdeu influência , e a mesma gula imobiliária também não o poupou.


Em ambos os casos , o actual chairman do Grupo, Daniel Proença de Carvalho,  não tem motivos para se orgulhar. Advogado com uma carreira invejável  - alavancada pelo  processo de António Champalimaud - , há muito que se interessa pela Comunicação Social , desde a televisão à imprensa.

Fica com o nome manchado e ligado ao naufrágio de um Grupo que não fundou,  mas que não soube evitar que se afundasse . Uma tristeza.


A crise declarada da Global Média, que engloba ainda a TSF , em rota descendente -  agora  com a Radio Observador, mais ágil e aberta,  a disputar-lhe a vocação  matricial de “rádio de informação” -,funciona como uma espécie de antecâmara do desmantelamento a prazo.

 
Os media portugueses não estão a viver os melhores dias. O DN  primeiro, e o JN a seguir, são o pré-aviso de um  futuro comprometido. Haja quem perceba que,  sem jornalismo qualificado  e independente, é a própria democracia que fica em causa.  

Connosco
Jornalismo deve unir experiência à aptidão tecnológica dos jovens Ver galeria

Há muitos profissionais seniores  que foram afastados  das redacções nos últimos anos, mas os mais jovens, recém saídos das universidades, não foram também poupados.

Se  juntarmos a experiência dos antigos repórteres com a facilidade dos mais jovens no manejo das  novas tecnologias, teremos a receita ideal para assegurar a cobertura jornalística adequada a um preço baixo.

A crise de emprego exige organização, e  não se pode deixar escapar nenhuma oportunidade   oferecida   a quem queira  continuar na profissão,  como defende Carlos Wagner, no artigo publicado no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual o  CPI mantêm um acordo de parceria.
Segundo o autor, já não é possível encontrar um emprego fixo nas redacções dos grandes jornais, rádios ou televisões. Por isso,  exige-se aos mais jovens  que criem o seu próprio emprego.

Seis conselhos para abordar o jornalismo de soluções Ver galeria

Os editores  são essenciais para a orientação das redacções  no quadro de  um jornalismo de soluções. Podem influenciar a mentalidade dos jornalistas responsáveis, a ponto de mantê-los motivados e orientados para alcançar   objectivos comuns.

Num trabalho publicado pela Fundação Gabo,  elaborado com base na   Rede de Periodismo de Soluciones, são apresentadas seis directrizes, para acompanhar os jornalistas na transição.

O primeiro tópico, trata da escolha dos líderes nas redacções, onde é salientada a importância de existir uma figura forte que possa inspirar, mobilizar e manter o foco da equipa.

No segundo tópico, chama à atenção para a criação de novos hábitos de modo a não dar margem a desvios, mesmo perante a pressão de notícias de última hora.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
Agenda
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul
24
Set
Radio Show
09:00 @ Hilton Anatole, Dallas, EUA
07
Out
14
Out
Mipcom
09:00 @ Cannes, França