Sexta-feira, 20 de Setembro, 2019
Opinião

Os jornalistas e os incêndios

por Francisco Sarsfield Cabral

Nos terríveis incêndios florestais de 2017 ouviram-se críticas à maneira sensacionalista como a comunicação social, ou parte dela, havia tratado essa tragédia. Julgo que, de facto, demasiadas vezes houve, então, uma exploração algo abusiva do que se estava a passar.

As imagens televisivas de grandes fogos, sobretudo de noite, são muito atractivas. Mas podem induzir potenciais pirómanos a passarem à acção. Claro que os “media” têm obrigação de não ocultar o que se passa, ainda que trágico. Apenas se recomenda alguma contenção e alguma sobriedade.

O mesmo se diga de uma certa insistência, há dois anos, no espectáculo da aflição das pessoas atingidas pelos fogos, muitas delas idosas e em estado psicológico descontrolado – como bem se compreende. Importa saber respeitar as vítimas.

Não realizei qualquer estudo nem vi, ouvi e li tudo o que foi noticiado sobre os grandes incêndios do corrente ano, que, felizmente, não mataram gente. Mas é minha impressão que os jornalistas que cobriram esses fogos foram mais responsáveis e contidos do que em 2017.

 

Claro que, nestas ocasiões, os meios de comunicação social recorrem a comentadores – ou melhor, aos comentadores que conseguem convidar, num período que já é de férias. Naturalmente, nem todos os que comentaram teriam as qualificações necessárias para nos elucidarem sobre um assunto tão controverso e tão dramático.

 

Quem parece não ter apreciado o trabalho dos jornalistas sobre os incêndios florestais de Julho deste ano foi o ministro da Administração Interna. Como escreveu no “site” da Renascença a sua Directora de Informação, Graça Franco, o ministro Eduardo Cabrita, depois de recusar responder às perguntas colocadas pelos “media”, “esperou que as luzes de apagassem e, já com os microfones desligados, mimoseou os repórteres com o epíteto de cobras”.

Como se sabe, o ministro estava irritado com perguntas sobre o extraordinário caso de uns “kits” distribuídos às pessoas, que vivem em aldeias de risco de incêndio, para  conterem uma máscara anti-fumo que... não poderia ser usada em caso de incêndio, por ser inflamável. É, de facto, surrealista.

Citando, ainda Graça Franco: “Eduardo Cabrita tentou dificultar o trabalho dos jornalistas no terreno e, além de os insultar em trabalho, insinuou, como quem dá lições de civismo, desta vez em on, que não estavam a ser nem sérios nem responsáveis. Ironia máxima: o Governo estava a ser confrontado com o facto do Estado ter desbaratado cerca de 300 mil euros dos nossos impostos em dois contratos com uma empresa do marido de uma autarca apoiada pelo PS".  

Acrescento, apenas, que os jornalistas que foram alvo desta atitude inqualificável do ministro souberam ser “sérios e responsáveis”, reportando a agressão ministerial com calma, dignidade e verdade.

Connosco
Jornalismo deve unir experiência à aptidão tecnológica dos jovens Ver galeria

Há muitos profissionais seniores  que foram afastados  das redacções nos últimos anos, mas os mais jovens, recém saídos das universidades, não foram também poupados.

Se  juntarmos a experiência dos antigos repórteres com a facilidade dos mais jovens no manejo das  novas tecnologias, teremos a receita ideal para assegurar a cobertura jornalística adequada a um preço baixo.

A crise de emprego exige organização, e  não se pode deixar escapar nenhuma oportunidade   oferecida   a quem queira  continuar na profissão,  como defende Carlos Wagner, no artigo publicado no Observatório da Imprensa do Brasil, com o qual o  CPI mantêm um acordo de parceria.
Segundo o autor, já não é possível encontrar um emprego fixo nas redacções dos grandes jornais, rádios ou televisões. Por isso,  exige-se aos mais jovens  que criem o seu próprio emprego.

Seis conselhos para abordar o jornalismo de soluções Ver galeria

Os editores  são essenciais para a orientação das redacções  no quadro de  um jornalismo de soluções. Podem influenciar a mentalidade dos jornalistas responsáveis, a ponto de mantê-los motivados e orientados para alcançar   objectivos comuns.

Num trabalho publicado pela Fundação Gabo,  elaborado com base na   Rede de Periodismo de Soluciones, são apresentadas seis directrizes, para acompanhar os jornalistas na transição.

O primeiro tópico, trata da escolha dos líderes nas redacções, onde é salientada a importância de existir uma figura forte que possa inspirar, mobilizar e manter o foco da equipa.

No segundo tópico, chama à atenção para a criação de novos hábitos de modo a não dar margem a desvios, mesmo perante a pressão de notícias de última hora.

O Clube


Retomamos este site do Clube num ambiente depressivo para os media portugueses. Os dados da APCT  que inserimos noutro espaço, relativos ao primeiro semestre do ano, confirmam uma tendência decrescente da circulação impressa, afectando a quase totalidade dos jornais.

Pior: na maior parte dos casos a subscrição digital está longe de compensar essas perdas, havendo ainda situações em vias de um desfecho crítico.


ver mais >
Opinião
Agenda
23
Set
Radio Broadcasters Convention of Southern Africa
09:00 @ Johannesburg, África do Sul
24
Set
Radio Show
09:00 @ Hilton Anatole, Dallas, EUA
07
Out
14
Out
Mipcom
09:00 @ Cannes, França