Sábado, 25 de Março, 2017
Media

Estudo do Centro para o Pluralismo e Liberdade nos Media dá nota mediana a Portugal

Está pronto, e vai ser divulgado, o estudo relativo a 2015 do Monitor de Pluralismo nos Media, um projecto do Centro para o Pluralismo e Liberdade nos Media, do Instituto Universitário Europeu. Segundo Francisco Rui Cádima, da Universidade Nova de Lisboa, que coordena a parte relativa a Portugal, o nosso País aparece em níveis médios nos diversos parâmetros de risco considerados neste trabalho. 

A análise debruça-se sobre 19 países da União Europeia, depois de uma experiência no ano anterior com apenas nove. “Os resultados mostram que nenhum está livre de riscos”, lê-se nas conclusões. Em 2016 far-se-á o retrato dos 28 países da União.

Segundo o Público, que cita o referido trabalho, a liberdade de expressão, o direito à informação e o exercício da profissão de jornalista estão razoavelmente protegidos em Portugal. Já no capítulo da “politização” e da “concentração de propriedade” identificam-se mais problemas: 

“Não se sabendo exactamente quem são os verdadeiros donos de algumas empresas de comunicação social  — em certos casos a sua identificação esbarra em offshores —, também não é possível perceber o nível de influência exercida pelos políticos, conclui o estudo. (…)  Numa escala que vai de zero a 100, conforme se constate ausência de risco, ou risco máximo, o estudo atribui uma classificação de “risco médio” (62%) de politização dos media portugueses. “Há indicações (embora sem evidência clara) que empresas ou proprietários dos media influenciam ou procuram influenciar o conteúdo editorial dos operadores [de rádio ou TV] ou da imprensa”, dizem os autores. (…)

Já o nível de risco no indicador “independência das agências noticiosas” é apontado como sendo “médio” (50%) pelo facto de o Estado ter uma quota de 50,14% na Lusa

“Em termos de resultados dos grandes indicadores e categorias acabamos por ficar mais ou menos bem na fotografia”, resumiu ao Público Francisco Rui Cádima. “Não devem ser muitos os casos de países que não apresentam um nível de ‘alto risco’” em questões fundamentais como a transparência ou independência, acrescenta o investigador. 

“Portugal parte de uma base sólida: tem um quadro regulatório que monitoriza questões chave do sector, como a transparência da propriedade, o pluralismo e o serviço público de media, que a ERC analisa anualmente. E as alterações ao serviço público de rádio e televisão, do anterior Governo, que criou o Conselho Geral Independente para a RTP, poderão, dizem os investigadores, ajudar a aumentar as garantias de isenção.” 

“A liberdade de expressão, o direito à informação e o exercício da profissão de jornalista estão razoavelmente protegidos pela lei e pela acção dos reguladores, considera-se também. Já no caso das condições de trabalho dos jornalistas, são assinaladas “irregularidades” no pagamento de salários e precariedade nos vínculos laborais.” 

Mais informação no Público e no site da Comissão Europeia

 

Connosco
Agrava-se no Parlamento Europeu a polémica sobre direitos de autor Ver galeria

O debate sobre a adaptação dos direitos de autor ao mundo digital, em curso no Parlamento Europeu, entrou de novo em terreno polémico com a apresentação de um projecto em que os "direitos conexos" são substituídos pela "presunção de representação dos autores de obras literárias contidas nestas publicações". Fica em causa a remuneração dos editores e agências de Imprensa pelos motores de busca como Google, "que recolhem lucro de numerosos conteúdos sem terem o encargo de os produzir".

Jornais procuram interagir com os comentários dos leitores Ver galeria

Os comentários dos leitores, usados como forma de abrir os jornais à participação do público, continuam a pôr problemas às redacções. A má qualidade de muitos deles, incluindo a grosseria e o discurso de ódio, desafiam a eficácia das práticas de moderação tentadas. Mas há estudos recentes sobre abordagens alternativas, revelando que as atitudes estão a mudar. Esta reflexão é de Marisa Torres da Silva, professora associada na FCSH da Universidade Nova de Lisboa, publicada no European Journalism Observatory.

O Clube


Passou um ano. O site do CPI – Clube Português de Imprensa completou o primeiro ciclo de vida, com um registo muito gratificante de visitantes, sempre em crescendo.

Quando começamos, inexperientes mas determinados, moveu-nos a convicção de que fazia falta na paisagem digital um projecto como o desta Associação, animado pelo propósito de ser um fórum de debate das questões emergentes na sociedade da informação e no jornalismo.

A par da divulgação das actividades desenvolvidas no CPI, designadamente, os ciclos temáticos de jantares-debate, procuramos, também, dar eco atempado de iniciativas oriundas de associações congéneres, bem como de estruturas relacionadas com a profissão, como sejam o Sindicato de Jornalistas e a Casa da Imprensa.

Nesse sentido pudemos ainda intensificar o intercâmbio com a AIEP – Associação de Imprensa Estrangeira em Portugal, contando com a colaboração de alguns dos seus membros, e ainda com a API - Associação Portuguesa de Imprensa, que colaborou igualmente connosco.


ver mais >
Opinião
Na origem, o Acordo assinado por todos os países membros da CPLP, em Dezembro de 1990 visava, como se sabe, unificar as duas normas ortográficas então existentes: a portuguesa e a brasileira. Consideravam, os seus defensores, que tal unificação permitiria uma maior internacionalização da língua portuguesa assim como a mais fácil aceitação do português, como língua oficial, nas instituições...
Talvez nada ilustre melhor a ascensão dos media digitais americanos e correspondente declínio das antigas potências mediáticas, geralmente conhecidas por “mainstream media” (designação genérica de órgãos históricos como o The New York Times e The Washington Post, estações de TV como a ABC, NBC e CBS e agências noticiosas como The Associated Press e Reuters), mais ou menos coincidente com a...
Jornalistas de Madrid queixam-se do Podemos
Francisco Sarsfield Cabral
A perseguição aos jornalistas costumava vir do poder político, em países com défice de democracia. Começam agora a surgir queixas denunciando ataques por parte de partidos na oposição. É o caso do Podemos, partido espanhol da esquerda radical, de que se queixa a Associação de Imprensa de Madrid. Em comunicado, esta associação exige ao Podemos que ponha fim à sua “sistemática campanha...
Democracia e Voyerismo
Luís Queirós
Daniel Proença de Carvalho, um conhecido advogado com interesses na comunicação social, foi ao Grémio Literário falar no ciclo de conferências ali realizadas sobre o tema “Que Portugal na Europa, que futuro para a União?”. Na sua intervenção, pouco acrescentou ao que naquela sala, em conferências anteriores, já se dissera sobre o assunto. Começou por apresentar a sua visão da...
Hoje estamos todos de parabéns, pois temos o privilégio de participar num notável acontecimento literário. A publicação deste livro é, de facto, um grande acontecimento. Sem ele, muitas pérolas literárias se perderiam para sempre, esquecidas em páginas de jornal deitadas para o lixo ou arquivadas em bibliotecas onde só seriam consultadas por especialistas. Por isso, na pessoa do Dr. Artur Santos Silva, felicito...