Quarta-feira, 23 de Janeiro, 2019
Media

Novo Jornal Económico já nas bancas e online

Está nas bancas e online o novo Jornal Económico nascido da fusão do OJE e do Diário Económico.
O projecto, integra a redacção do OJE e cerca de 20 jornalistas vindos do Diário Económico, entretanto extinto, como foi já referido neste site

A nova marca e o grafismo foram desenvolvidos por uma agência suíça e o preço de capa do jornal, em versão semanário é de 2,90 €, com cerca de 96 páginas.

 Vitor Noronha, antigo director do OJE, assumiu a direcção deste Económico, tendo Filipe Alves como director-adjunto, cargo que já desempenhava anteriormente no Diário Económico.

 

Em declarações à Briefing, os responsáveis editoriais afirmam que o novo semanário tem o ADN dos dois jornais, pretendendo "ocupar uma posição de referência no mercado da informação económica".

 

Referem, ainda, que " será não só a evolução natural do OJE, mas representa também uma continuidade, ou até, se preferirmos, um regresso às origens do Económico, abordando de forma séria, isenta e rigorosa os temas-chave que interessam aos cidadãos, às empresas, aos investidores e aos aforradores".

 

"A informação que interessa" é sobre temas de macroeconomia e política, em áreas como finanças públicas, segurança social, função pública e política nacional e europeia.

 

Também temas relacionados com empresas e negócios constituirão  "uma forte aposta", bem como os mercados financeiros.

 

A cobertura dessas áreas será complementada com "um grande enfoque" em temas como PME, universidades e emprego, advogados, consultoras e bancos de investimento, internacional, África lusófona e media, entre outras. Haverá ainda uma área de lifestyle e cultura.

 

O Jornal Economico existirá em paralelo nos suportes digital e impresso. A edição digital será diária, com actualização permanente, e os conteúdos no site serão disponibilizados primeiro apenas a assinantes e depois, gratuitamente, aos utilizadores em geral.

 

Veja aqui o novo site do Jornal Económico

Connosco
António Martins da Cruz em Janeiro no ciclo de jantares-debate “Portugal: que País vai a votos?” Ver galeria

O próximo orador-convidado do novo ciclo de jantares-debate subordinado ao tema “Portugal: que País vai a votos?” é o embaixador António Martins da Cruz, um observador atento, persistente e ouvido da realidade portuguesa, que aceitou estar connosco.

A conferência está marcada para o próximo dia 24 de Janeiro na Sala da Biblioteca do Grémio Literário, dando continuidade à iniciativa lançada há cinco anos pelo CPI -  Clube Português de Imprensa, em parceria com o CNC – Centro Nacional de Cultura e o próprio Grémio.

Político e diplomata, António Manuel de Mendonça Martins da Cruz nasceu a 28 de Dezembro de 1946, em Lisboa. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, fez ainda estudos de pós-graduação na Universidade de Genebra, na Suíça.

Quando a realidade mediática se constrói sobre a realidade genuína Ver galeria

A abundância de informação disponível na Internet, hoje acessível a metade da Humanidade e quase sem custos, não significa sempre conhecimento verdadeiro, antes pelo contrário. “Nunca o panorama foi tão desolador: desinformação, manipulação e notícias falsas movem-se à vontade por todo o tipo de suportes. Pode dizer-se que está a ser criada uma realidade mediática que se sobrepõe à verdadeira, ocultando-a.” A reflexão é de Miguel Ormaetxea, editor de Media-tics, que aponta outro problema, trazido pelos próprios media, que se repetem e imitam uns aos outros, ocupando com os mesmos temas todas as capas dos jornais do dia e todas as entradas dos noticiários de rádio ou televisão.

“Como pensam os editores cobrar por conteúdos e instalar paywalls para o acesso a informações que basicamente quase todos têm? Estão alguns meios de comunicação a cavar a sua própria sepultura?” - pergunta.

O Clube

O Novo Ano não se antevê fácil para os media e para o jornalismo.

Sobram os indicadores pessimistas, nos jornais, com a queda acentuada de  vendas,  e nas televisões, temáticas ou generalistas, com audiências degradadas e uma tendência em ambos os casos para a tabloidização, como forma  já desesperada de fidelização de  leitores e espectadores, atraídos por outras fontes de informação e de entretenimento.


ver mais >
Opinião
Jornalismo a meia-haste
Graça Franco
Atropelados pela ditadura do entretenimento, podemos enquanto “informadores” desde já colocar a bandeira a meia-haste. O jornalismo não está a morrer. Está a cometer suicídio em direto. Temi que algum jornalista se oferecesse para partilhar a cadeia com Armando Vara, só para ver como este se sentia “já lá dentro”. A porta ia-se fechando, em câmara lenta, e o enxame de microfones não largava a presa. O...
O problema do umbigo
Manuel Falcão
O fim da Quadratura do Círculo é o fim de uma época e o sinal de uma mudança. A SIC Notícias já não é líder no cabo, os intervenientes do programa acomodaram-se, deixou de haver valor acrescentado. Em termos de audiência, foram caindo - passar dos 50 mil espectadores já era raro e a média do último trimestre de 2018 foi 43.500, o share de audiência do programa esteve abaixo do share médio...
Sobre a liberdade de expressão em Portugal
Francisco Sarsfield Cabral
O caso da participação num programa matinal da TVI de um racista, já condenado e tendo cumprido pena de prisão, Mário Machado, suscitou polémica. Ainda bem, porque as questões em causa são importantes. Mas, como é costume, o debate rapidamente derivou para um confronto entre a esquerda indignada por se ter dado tempo de antena a um criminoso fascista e a direita defendendo a liberdade de expressão e a dualidade de...
Informar ou depender…
Dinis de Abreu
O título deste texto corresponde a um livro publicado nos anos 70 por Francisco Balsemão, numa altura em que já se ‘contavam espingardas’ para pôr termo ao Estado Novo, como veio a acontecer com o derrube de Marcello Caetano, em 25 de Abril de 74.  A obra foi polémica à época e justamente considerada um ‘grito de alma’, assinada por quem começara a sua vida profissional num jornal controlado pela família...
Há, na ideia de uma comunicação social estatizada ou ajudada pelo governo, uma contradição incontornável: como pode a imprensa depender da entidade que mais se queixa da imprensa? Uma parte da comunicação social portuguesa – televisão, rádio, imprensa escrita — é deficitária, está endividada e admite “problemas de tesouraria”. Mas acima desse, há outro problema, mais grave:...
Agenda
24
Jan
European Radio Show & Digital Audio
06:00 @ Paris, França
29
Jan
Nordic data journalism Conference
09:00 @ Trondheim, Noruega
04
Fev
06
Fev
Jornalismo Empreendedor
09:00 @ Cenjor, Lisboa