Sexta-feira, 21 de Junho, 2019

  

Diário francês "Libération" propõe assinatura vitalícia

Media Galeria

O diário francês Libération propõe aos seus leitores mais devotados a possibilidade de uma assinatura vitalícia da respectiva edição digital, pela importância de 400 euros. A oferta é válida entre os dias 17 e 23 de Junho, com a advertência de que só os primeiros 1.000 a inscreverem-se serão abrangidos por ela.
Às 9h.30 do primeiro dia já havia 30 assinantes confirmados.

Segundo Clément Delpirou, director da SFR Presse e co-gestor do Libération, a ideia partiu de “uma reflexão colectiva”, no sentido de fazer algo de “diferente e inovador”, mostrando também que “acreditamos no futuro do nosso jornal”.

Grupo Axel Springer dá boas-vindas à OPA da KKR

Media Galeria

A gestora de fundos de investimento KKR – Kohlberg Kravis Roberts, dos EUA, vai lançar uma OPA de 6.800 milhões de euros sobre uma fatia minoritária do grupo alemão Axel Springer, que detém os diários Die Welt e Bild, além de outras publicações, como Business Insider e Rolling Stone. A KKR ofereceu 63 euros por acção, tendo esta operação o acordo da maior accionista  - a viúva do fundador, Friede Springer -  e do CEO da editora, Mathias Doepfner.

Segundo a Reuters, que aqui citamos, Friede Springer e Mathias Doepfner controlam, entre si, 45,4% da Axel Springer. Dois netos do fundador detêm 9,8% que não participam deste acordo, e podem decidir vendê-los ou reduzir a sua participação. Estão assim disponíveis 44,8%. Se a operação for confirmada, a KKR, Friede Springer e Doepfner vão controlar a empresa, mantendo-se os actuais órgãos de gestão.

Sexto jornalista assassinado este ano no México

Media Galeria

A jornalista mexicana Norma Sarabia foi assassinada a tiro à porta da sua casa, no estado de Tabasco, no sul do país. Dois atacantes que se faziam transportar numa motocicleta dispararam e puseram-se em fuga. Norma Sarabia, que fora durante mais de quinze anos a correspondente do diário Tabasco Hoy, na cidade de Huimangillo, e continuava a trabalhar noutros jornais locais, é a sexta profissional da Imprensa morta no México desde o início do ano.

Segundo a organização Repórteres sem Fronteiras, o México é o terceiro país mais perigoso do mundo para a Imprensa, logo a seguir à Síria e ao Afeganistão, com mais de 100 jornalistas mortos desde o ano de 2000. Foram assassinados 47 durante os seis anos de mandato presidencial de Enrique Peña Nieto, e os primeiros seis meses de López Obrador seguem a mesma tendência.

Primeiro telejornal europeu era francês e faz 70 anos

Media Galeria

O primeiro telejornal francês nasceu há quase 70 anos. Chamado então Journal télévisé, teve a sua primeira emissão a 29 de Junho de 1949 e era dirigido a poucas centenas de espectadores na região de Paris. Durava quinze minutos (das 21h. às 21h.15) e era transmitido cinco dias por semana, todos menos a quarta e o domingo.

Segundo Le Monde, que aqui citamos e lhe dedica um artigo de efeméride, era composto por pequenas reportagens filmadas, nomeadamente sobre a Volta à França, que começava no dia seguinte ao dessa primeira transmissão. Foi o suficiente para levantar uma primeira onda de receio sobre as consequências para o jornalismo impresso  - como era todo naquele tempo:

“Segundo alguns, arrisca-se a causar problemas inquietantes para a Imprensa filmada, ou até para a Imprensa, simplesmente.”  O que era designado como a presse filmé eram as “Actualidades” que passavam regularmente nos espectáculos de cinema, antes do filme principal.

Criminalizadas em Macau "notícias falsas ou tendenciosas"

Media Galeria

Foi aprovada na generalidade, pela Assembleia Legislativa de Macau, a proposta de Lei de Bases da Protecção Civil, segundo a qual a difusão de “notícias falsas, infundadas ou tendenciosas” é criminalizada em termos que podem levar a penas até três anos de prisão.  A discussão levou três horas, sobretudo pela imprecisão da terminologia usada no polémico Artigo 25º, que foi criticada por associações de advogados e de jornalistas.

O texto, defendido pelo Secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, teve quatro votos contra, do único deputado português na AL, Pereira Coutinho, e de Au Kam San, Ng Kuok Cheong e Sulu Sou.

Segundo o Jornal Tribuna de Macau, “a proposta será agora delegada a uma das comissões permanentes da AL para discussão na especialidade  – uma tarefa a cargo de Ho Iat Seng”.

"NYT" suspende "cartoon" político depois de publicar António

Media Galeria

O diário The New York Times anunciou o fim da publicação de caricaturas políticas na sua edição internacional, alargando assim a esta a prática seguida na edição que sai nos Estados Unidos.
A explicação apresentada é a de que o jornal já reflectia há um ano sobre esta possibilidade, mas Patrick Chappatte, um dos seus caricaturistas mais conhecidos, não hesita em considerar a medida como decorrente da polémica causada pela publicação de um desenho do autor português António, que mostra Donald Trump como um cego conduzido por um “cão-piloto” com a face de Benjamin Netanyahu.

A referida publicação, ocorrida em finais de Abril, foi considerada antissemita dentro e fora dos Estados Unidos, e The New York Times retirou-a com um pedido público de desculpas.

Radio France anuncia negociações para despedimentos

Media Galeria

A empresa pública Radio France revelou aos representantes dos trabalhadores um plano estratégico de modernização que vai implicar a extinção de 270 a 390 postos de trabalho. Segundo a directora-geral, Sibyle Veil, torna-se necessário fazer uma economia de 25 milhões de euros sobre a presente massa salarial, e obter mais quatro milhões para poder contratar meia centena de especialistas nos novos suportes digitais  - portanto 29 milhões de euros, no espaço de três anos.

Segundo Le Figaro, que aqui citamos, os sindicatos presentes adoptaram uma linha comum, recusando-se a negociar na base deste documento e pedindo mais tempo para auditar os números apresentados pela direcção. Abordada por Le Monde, Sibyle Veil afirma que, “com a baixa da dotação do Estado, vamos ter um défice de 40 milhões de euros daqui até 2022”.

Grupo Figaro rescinde contrato de 30 a 40 jornalistas

Media Galeria

O Grupo Le Figaro prevê a extinção de três a quatro dezenas de postos de trabalho sobre um total de 450 jornalistas das suas várias redacções, durante o ano de 2019. Esta medida é incluída num plano de aceleração da passagem ao digital, e num momento em que as receitas da publicidade estão em baixa.

Outras economias, tendo em vista alargar a margem de manobra financeira para investir, serão procuradas noutros departamentos do Grupo, por exemplo fechando um serviço dependente da TV Magazine, o suplemento de televisão do Figaro, que fornecia as grelhas de programas à Imprensa diária regional.
1  2  3  4  5  6  7  8  9  ... »
PESQUISA AVANÇADA
PESQUISAR POR DATA
PESQUISAR POR CATEGORIA
PESQUISAR POR PALAVRA-CHAVE

O Clube


Lançado em Novembro de 2015, este site tem vindo a conquistar uma audiência crescente, traduzida no número de visitantes e de sessões e do tempo médio despendido. É reconfortante e  encorajador, para um projecto concebido para ser um espaço de informação e de reflexão sobre os problemas que se colocam, de uma forma cada vez mais aguda, ao jornalismo e aos  media.

Observa-se , aliás, ressalvadas as excepções , que a problemática dos media , desde a precariedade  dos seus quadros às incertezas do futuro -  quer no plano tecnológico  quer no editorial - , raramente  constitui  tema de debate  nas páginas dos jornais, e menos ainda nas  suas versões  online ou nos audiovisuais. É um assunto quase tabú.


ver mais >
Opinião
Sejam de direita ou de esquerda, há uma verdadeira inflação de políticos no activo - ou supostamente retirados - ,  “vestidos” de comentadores residentes nas televisões, com farto proveito. Alguns deles acumulam mesmo os “plateaux” com os microfones  da rádio ou as colunas de jornais, demonstrando  uma invejável capacidade de desdobramento. O objectivo comum a todos é, naturalmente,  pastorearem...
Ao longo do último ano os jornais britânicos The Times e The Sunday Times têm desenvolvido esforços consideráveis para conseguir manter os assinantes digitais que foram angariando ao longo do tempo. A renovação das assinaturas digitais é uma das crónicas dores de cabeça que os editores de publicações enfrentam, tanto mais que estudos recentes comprovam que uma sólida base de assinantes e leitores...
“Fake news”, ontem e hoje
Francisco Sarsfield Cabral
Lançar notícias falsas sobre adversários políticos ou outros existe há séculos. Mas a internet deu às mentiras uma capacidade de difusão nunca antes vista.  Divulgar no espaço público notícias falsas (“fake news”) é hoje um problema que, com razão, preocupa muita gente. Mas não se pode considerar que este seja um problema novo. Claro que a internet e as redes sociais proporcionam...